Home
Você está aqui: Home » banner principal » PARA TRÁS, NUNCA MAIS!

PARA TRÁS, NUNCA MAIS!

Sem Título-1

 PARA TRÁS, NUNCA MAIS!

 Federação de Futebol do DF

  19 DE AGOSTO 2015/19 DE AGOSTO 2016

     Mudanças e evoluções que restituíram 12 anos em  1 só ano

  Pensando e realizando  juntos com todos os demais

dirigentes do futebol profissional do Distrito Federal.

               Hoje, dia 19 de agosto, a deliberação histórica que pôs fim a 12 (doze) anos  sucessivos de  destruição, desmandos, desacatos à lei, perversão e caos, na Presidência da Federação de Futebol do Distrito Federal, completa um ano.  

            No dia 19 de agosto de 2015, na Assembleia Geral Extraordinária, Presidida por RICARDO VALE DA SILVA, PRESIDENTE DO SOBRADINHO ESPORTE CLUBE,  foi tomada  uma deliberação, cujo resumo se transcreve a seguir:

      “…Passado a votação da pena a ser aplicada, por unanimidade, foi deliberado aplicar-se a pena de CASSAÇÃO DO MANDATO DO SR. JOZAFÁ DANTAS DO NASCIMENTO, Presidente da FBF-DF, por atos de corrupção, desmandos, abuso de poder e desacato à Lei, atos que estão detalhados na Nota de Culpa e com provas consistentes…”   

       De maneira responsável, legítima, de acordo com as leis vigentes e com o estatuto em vigor na instituição, todos os 17 senhores Representantes legais e Presidentes dos clubes presentes, expressaram o seu repúdio pelos atos ilícitos praticados por Jozafá Dantas, agora ex Presidentes da Federação.  

            Estiveram ausentes,  7 dos 24 Clubes profissionais filiados.  

                    Estes foram os  17 Clubes que estiveram presentes, debateram e votaram a histórica deliberação:

 

 – 1. Associação Atlética Luziânia,  Daniel dos Santos Vasconcelos;

2. Associação Botafogo Futebol Clube DF,  Elias Sutero Lima;

3. Bolamense Futebol Clube , Antônio Teixeira;

4. Bosque Formosa Esporte Clube,  Cacildo de Paula  Cassiano;

5. Brasilia Futebol Clube,  Roberto Marques dos Santos ;

6. Capital Clube de Futebol,  Ademilton Ricardo da Silva;

7. Esporte Clube Dom Pedro, Emídio Santos Rafael;

8. Sociedade Esportiva Ceilandense, Manuel da Silva Santos

9. Paranoá Esporte Clube, Delar Roberto Stecanela Savi;

10.Legião Empreendimentos Esportivos,  Emanoel Teixeira da Silva;

11. Sobradinho Esporte Clube, Ricardo Vale da Silva;  

12. Sociedade Esportiva do Gama, Antônio Alves do Nascimento;

13. Sociedade Esportiva Planaltina, Gerson Gabriel de Carvalho;  

14. Sociedade Esportiva Santa Maria, Carlos Félix Silva;

15. Paracatú Futebol Clube, Elias Andrade de Oliveira;  

16. Primeiro Vice Presidente da FBF, Erivaldo Alves dos Santos; e

17. Segundo Vice Presidente da FBF, Cléver Rafael dos Santos.  

18. Representante dos Torcedores, Neimar Frota

               Apesar da grandeza e nobreza dessa Assembleia Geral e da sua deliberação,  a instituição Federação Brasiliense de Futebol e seus clubes filiados, apenas estavam entrando numa nova fase do resgate da sua dignidade.  A luta apenas estava ganhando outros horizontes com fatores assustadores pela frente.

          Mais de 5 liminares foram impetrados pelo Presidente cassado e todos eles foram derrubados pelos serviços  jurídicos da Federação, sob a orientação e  responsabilidade do seu  Diretor Dr. António Teixeira.

        O novo Presidente da Federação, Erivaldo Alves Pereira, encarou com coragem, responsabilidade e competência a dura tarefa de  tirar a instituição do caos ético, moral, administrativo, financeiro e técnico em que se encontrava com amarras e verdadeiros labirintos vindos das  gestões anteriores.

                    Na verdade a Federação Brasiliense de Futebol, vinha de 12 (doze) e  longos anos   de  destruição institucional. Dos anos de 2000 a 2012 algumas espécies de gafanhotos se sucederam no comando da instituição e cada uma dessas espécies,   causou destruições e danos irreparáveis , conforme o seu próprio tipo.   Em cada 3 ciclos de 4 anos cada,  um determinado tipo de gafanhoto de colarinho branco,  reinou na gestão da instituição .

                          Dos anos 2000 a 20012  a Federação, cuja denominação era Federação Metropolitana de Futebol, passou a se denominar Federação Brasiliense de Futebol,  a partir de uma reforma estatutária esdrúxula  ocorrida na calada da noite, no dia 28 de dezembro do ano de 2004. 

                                 Mas de que maneira e como trabalharam esses gafanhotos cortadores, migradores, devastadores e  destruidores?

                              Todos os bons frutos e resultados de décadas de trabalho traduzidos em níveis positivos de competitividade, de reputação institucional e de patrimônios anteriores,  foram mutilados através de práticas negativas e  se deu cabo das partes boas que o futebol de Brasilia apresentava.  A Federação era dona do estádio de futebol PELEZÃO  que  ficava  num grande lote de  terreno ao lado do Carrefour.  Esse estádio foi vendido  para  Paulo Otávio que o demoliu  depois e   pagou à Federação, somente  pouco mais de 3 milhões de reais (uma parte em salas  e pouco mais  de 300 mil reais em dinheiro.) Esse terreno foi depois avaliado em  mais 160 milhões de reais pelo Banco do Brasil no ano de  2010. Hoje no lugar onde era o estádio Pelezão,  foram construídos mais de 15  prédios (torres) com centenas de apartamentos. Assim, mais de  metade de todo o  patrimônio que a Federação tinha ficou  com a sua  parte boa cortada  deixando a outra parte restante bichada.

                        Como já dissemos atrás, no dia  28 de dezembro do ano de 2004 o estatuto da Federação foi mudado na calada da noite e pela primeira vez, desde a sua fundação em 1959,  os clubes filiados foram repartidos em 3 divisões,  ( primeira, segunda e terceira) com 8 clubes em cada uma dessas divisões e sem nenhum patrocínio ou apoio financeiro, uma vez que, por causa de má destinação de verbas públicas e convênios deturpados com o GDF, o Juiz da 5a. Vara da Fazenda Pública, numa sentença, proibiu  e condenou o Governo do Distrito Federal a nunca mais destinar verbas públicas para apoiar qualquer competição ou campeonato organizado pela Federação. Lembramos que até então, o GDF destinava 100 mil reais para cada um dos clubes que disputavam o Candangão. Esta é a  maneira como o GAFANHOTO MIGRADOR  comeu o resto que sobrou de tudo o que o GAFANHOTO CORTADOR havia deixado sobrar. Os clubes que foram  rebaixados para a terceira divisão em 2004, até 2oo8  sangraram no deserto, os da segunda divisão penaram debaixo do sol e mais da metade dos 8 clubes da primeira divisão perderam todas  as possibilidades crescerem e de se estruturarem. 

          Dos anos 2008 a 20012 o GAFANHOTO MIGRADOR evoluiu para GAFANHOTO  DEVASTADOR e DESTRUIDOR no comando da Federação.  Erros, desmandos e mal versamento de recursos públicos, colocaram a Federação na mira do Ministério Público que, com a colaboração legítima de 2 ou 3 Clubes filiados, conseguiu fazer com que o Poder Judiciário do DF, decretasse uma intervenção judicial na instituição  e o afastamento imediato do senhor Fábio Simão do cargo  de Presidente da FBF, e foi nomeado pela Justiça um administrador judicial  que governou a Federação até outubro de 2012, ano em que  Jozafá Dantas do Nascimento, foi eleito Presidente da agremiação. Com a eleição de Jozafá Dantas,  começou então a mais tristemente célebre   fase da governança da instituição. Uma auditoria financeira realizada logo após a cassação de Jozafá, mostrou como  foi implodida a estrutura financeira da Federação durante os 3 anos da gestão desse Presidente.

                       Ao assumir a liderança da Federação, no dia 19 de agosto de 2015, ERIVALDO ALVES PEREIRA, encontrou  uma verdadeira Sodoma e Gomora após a destruição pelo fogo de enxofre. 

               A Federação estava sem crédito e com a sua honra institucional completamente abalada e  zerada. Os clubes filiados não tinham mais ânimo algum para se dedicarem aos objetivos esportivos e competitivos que os haviam levado a se filiarem à Federação. O quadro administrativo dos funcionários estava eivado de “agentes” vindos do planeta dos surucucus  da corrupção e da imoralidade.      Havia até uma certa viabilidade de uma ação judicial para a dissolução da Federação em função dos ilícitos  financeiros perpetrados (máxime o sumiço da renda milionária do jogo Santos x Flamengo na inauguração do estádio Mané Garrincha).

                        Os desafios eram imensos e ameaçadores. ERIVALDO tinha que, a cada  dia, tomar decisões e opções angustiantes para, no minimo, fazer andar  um milimetro a gigantesca roda enferrujada da Federação.  Para isso, ERIVALDO, num gesto de muita competência,  criou  o Núcleo de Planejamento Estratégico e de Normas, deu as orientações pertinentes e adotou as  opções macro gerenciais para que esse órgão detalhasse as tarefas estratégicas para as ações administrativas, financeiras,  as competições, os   campeonatos e os estádios, tudo para que a Federação adquirisse as dinâmicas aceitáveis, num mínimo prazo de 45 dias.

               O  Núcleo de Planejamento Estratégico, dirigido pelo próprio Presidente Erivaldo,  elaborou as GRANDES OPÇÕES DO PLANO   que conduziram a Federação ao estabelecimento de    uma agenda positiva de governança com dinâmicas nos âmbitos financeiro,  administrativo, jurídico, das infra-estruturas  e das competições.

           No cerne desse Planejamento Estratégico,3 Diretorias operacionais foram estabelecidas: Diretoria  Financeira e administrativa, Diretoria Jurídica e a Diretoria de Competições e Logística, e todas elas sob orientação direta do Presidente Erivaldo e  em regime de funcionamento em  tempo integral. A tarefa imediata a ser, então,  empreendida por essas Diretorias, era a realização do saneamento financeiro, a efetivação da Convergência ética institucional, a objetivação Normativa e Jurídica e  a realização  de alto nível dos campeonatos sem gargalos algum  nas serventias dos estádios e na gestão do Departamento do futebol.

                           Contudo e dentro do espírito democrático, ERIVALDO ALVES, se viu, sistematicamente, confrontado com algumas ações da oposição raivosa de um pequeno grupo saudosista do tempo dos gafanhotos. Mas o bom sendo e a vontade da  mudança prevaleceram.

                        O campeonato da Segunda Divisão 2015 foi disputado por 11 clubes, a partir do mês de  setembro e foi um sucesso absoluto,  com os estádios funcionando de maneira excelente.

                 O Núcleo de Planejamento Estratégico, sob direção do Presidente, estabeleceu uma linha de cooperação técnica positiva com  a Vice Governadoria do GDF o que permitiu um maior e melhor diálogo com o Governo que é dono de todos os estádios de futebol  no Distrito Federal.

                         O Estatuto da Federação já, absolutamente, deturpado por aquela alteração feita na calada da noite em 28 de dezembro de 2004,  se transformou num imenso saco roto e sem fundo. Esse estatuto precisava urgentemente de ser mudado. Era uma tarefa técnica e jurídica  dificílima, prioritária e que exigia, consensos democráticos e amplos, sobretudo porque era necessário colocar  fim nas promiscuidades de interesses inconfessáveis de determinados setores, naqele momento histórico.

                      Com um trabalhos árduo, competente e militante o autor do projeto do novo estatuto, o jurista Dr. António Teixeira, entregou o texto do estatuto ao Presidente Erivaldo Alves Pereira, no mês de  setembro, isto é, 30 dias após, a posse do novo Presidente. ERIVALDO, imediatamente, montou uma Comissão para fazer a avaliação metodológica e debates  técnicos e jurídicos prévios do projeto do novo estatuto, com todos os  diversos setores  capilares   dos 24 clubes filiados. Seguiram-se momentos de tensões e de reivindicações, uma vez que o texto/projeto do novo Estatuto trazia, objetivamente,  os ideais justos do desenvolvimento institucional, da ética e da moralidade do futebol profissional do Distrito Federal e criava clausulas de barreiras contra a eleição daqueles que nada têm a ver a Direção dos clubes filiados (os  estranhos paraquedistas,  que por força e abuso do poder econômico se faziam candidatos à Presidência da instituição para, depois de eleitos, transformarem a Federação em autêntico balcão de negócios imorais e ilegais.

                  Após longos  e intensos debates e devidamente recepcionadas diversas propostas  de enriquecimento do texto do projeto do novo estatuto, ERIVALDO ALVES, convocou a Assembleia Geral para discussão e votação do novo Estatuto.

                     Assim,  no dia 19 de novembro de 2015, ou seja, 90 (noventa) dias apenas, depois de ter assumido o cargo, o novo Presidente ERIVALDO ALVES PEREIRA, trabalhou incansavelmente e conseguiu fazer com que o órgão soberano da instituição debatesse, democraticamente, e aprovasse um novo Estatuto da agora denominada FEDERAÇÃO DE FUTEBOL DO DISTRITO FEDERAL. O novo estatuto, pela primeira vez, trouxe a  consagração normativa da Missão Institucional, dos objetivos e dos valores institucionais   da Federação.

                  Dos 24 representantes legais e Presidentes  dos  clubes filiados, 19 votaram e aprovaram, por maioria absoluta, o novo  e moderno estatuto que, verdadeiramente, devolveu todo o poder e honra institucional  aos legítimos mandatários do futebol profissional  do Distrito Federal.

                Seguiram-se as tarefas no âmbito do saneamento Financeiro da instituição, com a sindicância das contas do presidente cassado e a execução ética das contas do período de 19 de agosto a 31 de dezembro de 2015, tempo da vigência do novo Presidente.

                        No inicio do mês de janeiro de  2016, foi publicado o edital convocando a reunião da  Assembleia Geral Ordinária da FFDF, para a discussão das contas e do balanço do exercício econômico  e financeiro do ano de 2015.

                       Pela primeira vez, em 12 anos, um Presidente da Federação de Futebol no DF, convocou a Assembleia Geral da instituição, apresentou  o balanço e as contas do exercício econômico anterior, logo na segunda quinzena do mês de janeiro.

                       E, por unanimidade, as contas do período de 19 de agosto de 2015 a 31 de dezembro desse mesmo ano, sob a gestão do novo Presidente ERIVALDO, foram aprovadas e reprovadas as contas do período de 1 de janeiro a 19 de agosto de 2015 cuja responsabilidade é  do presidente cassado Jozafá Dantas do Nascimento.

                       Nesse período da sua gestão ERIVALDO ALVES, pagou todas as dívidas legais deixadas pelo seu antecessor, saneou as finanças da Federação, reduziu drasticamente as despesas e o quadro de funcionários.

                         Em janeiro de 2016, deu-se inicio ao campeonato da primeira divisão – O Candangão. Foi um campeonato do mais altíssimo nível realizado nos últimos 12 anos e disputado por todos os 12 clubes que fazem parte  dessa divisão, sem mais aquela incompetência de jogos com portões fechados e  sem nenhuma partida impugnada. Houve uma  perfeita sintonia entre a Federação, a Vice Governadoria, a Policia Militar, as Administrações Regionais e os clubes. Além dos troféus tradicionais, a Federação atribuiu premiações pecuniárias ao clube campeão, ao clube  Vice campeão, aos artilheiros e aos goleiros menos vazados.  Vimos o publico  torcedor e as famílias  retornando aos estádios para torcerem pelos seus clubes.

                      Pela primeira vez,  a Federação de Futebol de Brasilia, traçou um PDI – Plano de Desenvolvimento Institucional quadrienal (2016/2020)-  com metas bem definidos.

            As  eleições para a nova Diretoria do mandato 2016/2020, já foram convocadas,  com mais de 90 dias de antecedência, mediante Edital contendo todos os requisitos  estatutários exigidos para se ser candidato aos cargos dos órgãos sociais da entidade. Está em fase adiantada o Plano de Cargos e Carreiras concebido como  conjunto de regras e normas, que estabelecem os mecanismos de gestão dos Recurso Humanos da Federação e também  como instrumento de  justiça e equidade na  remuneração e na progressão profissional dos funcionários da instituição, segundo os cargos que ocupam,  responsabilidades que assumem e os resultados que geram para a FFDF.

                    19 de agosto de 2015 a 19 de agosto de 2016.

                 Foram 12 meses em que,  o novo Presidente da FFDF,  ERIVALDO ALVES PEREIRA e a competente equipe que o assessora, conseguiram resgatar 12 anos de desprestigio , desonra e de incompetência   que assombrava a Federação de Futebol do Distrito Federal.

                      Sem pretender dizer aqui, que o Céu  já foi conquistado,  não podemos deixar de garantir que a salvação institucional da Federação e dos seus clubes filiados está garantida.

                       A coexistência pacífica e democrática entre todos os dirigentes dos clubes filiados, a liberdade de expressão e de pensamento, a não discriminação do individuo ou grupos de indivíduos, em razão da nacionalidade, raça, cor, religião, sexo, língua ou de  qualquer outra razão, no seio da Federação de Futebol do DF, está blindada (mesmo reconhecendo as diversidades de qualquer quadrante).

                    A gestão democrática e o  enfrentamento competente e honesto frente aos desafios próprios da restruturação institucional, permitiram a consolidação definitiva dos princípios fundamentais da gestão financeira  transparente e ética da  Tesouraria da Federação.

                         Nada e ninguém mais,  poderá  jamais, levar a FFDF para o caminho de VOLTA AO PASSADO que, definitivamente, foi superado e vencido pela força da competência, da ética e da moralidade .

                           Tem alguns que dizem que após a eleição de outubro, haverão mudanças de rumo. Isto é um equivoco de conceito ou pressa de alguém que quer  pré construir a  maldade.

                          A marcha da inovação e do desenvolvimento institucional  em curso, já fez as mudanças necessárias.  O que vai continuar sendo feito é o  crescimento da dinâmica das etapas dialéticas desse desenvolvimento e tudo isso dentro dos ideais e do âmbito da Missão Institucional contido no  artigo  quarto do novo estatuto da FFDF.

                          Parabéns ERIVALDO e os nossos parabéns à todos os Presidentes dos Clubes filiados à FFDF.  Parabéns ao Neimar Frota, por este dia histórico!

1

Sobre o Autor da Postagem

Quantidade de Postagens : 378
Ir para Cima